Biografia de Josef Stalin – Quem Foi? Um Revolucionário ou Assassino?


Josef Stalin foi um dos mais cruéis ditadores que existiu na história da humanidade. Governou a União Soviética até o ano de sua morte, em 1953.

Atribui-se a ditador a morte de mais de 5 milhões de pessoas. Alguns historiadores, porém, acreditam que sua ditadura teria ceifado cerca de 20 milhões de vidas.


Quem foi Josef Stalin?

Ioseb Besarionis Dze Djughashvili foi ditador da União Soviética. Conhecido apenas como Stalin – nasceu no dia 21 de dezembro de 1878, em Geórgia (União Soviética). O nome Josef Stalin, porém, só começou a ser usado a partir do ano de 1913. A mudança se deu  devido a sua deportação para a Sibéria.

Escolhera o termo Stalin para si próprio, que significa homem de aço, no idioma russo.

Histórico familiar de Josef Stalin

Josef Stalin veio de uma família pobre e passara muitas dificuldades em sua infância. Stalin estudou em uma escola de padres. Porém, apresentava diversas discordâncias com a ideologia do colégio – como a defesa do comunismo. Tal fato resultou na sua expulsão da instituição.

Ainda adolescente, Stalin envolvera-se com diversos atos ilegais, como assaltos. Em um desses, foi responsável pela morte de cerca de 40 pessoas. Foi preso e passou diversos anos na prisão.

Josef Stalin quando jovem

Juventude até início da revolução

Ainda jovem, depois de diversas prisões de deportações, Stalin vem a conhecer e se aproximar de Lênin. Este mantinha um grupo de homens que planejavam realizar a Revolução Russa.

Stalin logo entrou para o Partido Social Democrata Russo e passou a ser o braço direito de Lênin. O Partido Bolchevique, que era formado por defensores de reformas na Rússia de maneira revolucionária, fora quem assumiu o poder da Revolução Russa no ano de 1917 e o poder no país. O partido, então, passou a ser o Partido Comunista. Partido este no qual Stalin passou a desenvolver a função de secretário-geral do Politburo. Trata-se da função máxima dentro do partido.

A questão do sistema socialismo ocasionou controvérsias e disputas dentro do próprio partido Partido Comunista. Alguns de seus membros acreditavam que a revolução – assim como acontecera na Rússia – tinha de ter expandida para outros países.

Enquanto outros membros do partido defendiam a ideia de que a revolução deveria ser apenas mantida nos territórios. Tais territórios se transformariam, mais tarde, na União Soviética.

Leon Trotsky era o principal defensor da ideia de expandir a revolução russa a outros países do mundo. Já Stalin acreditava que a revolução deveria ser limitada ao território russo.

Depois da morte de Lênin, no ano de 1924, os dois grupos discordantes entraram ainda mais em choque. Além de terem de definir quem seria o sucessor do falecido. Depois de algum tempo de debates, o partido deu o máximo poder a Stalin, que assumiu, assim, a liderança da União Soviética.

A grande revolução russa

A disputa pela sucessão do governo russo iniciou-se após a morte de Lênin. Stalin acabou vitorioso e passou a controlar a União Soviética. Fez diversas mudanças no governo soviético – uma verdadeira revolução.

No seu governo Stalin adotou práticas de centralização de vários papéis que estavam sob as mãos do Estado. Com essa grande demanda de atribuições do governo, os ideais socialistas de Stalin acabaram por se perderem com o passar do tempo.

Stalin ainda foi responsável por executar intensas repressões aos seus opositores políticos.

Em um primeiro momento, Stalin acabou com a NEP e lançou planejamentos quinzenais. Nesses planos, eram fixadas as metas econômicas russas, que contemplavam prazos de 5 anos. Pode considerar que Stalin deu prioridade, em seu governo, ao desenvolvimento da indústria.

Ele dara mais importância à expansão industrial (como maquinários, mineração, energia, etc). Os planejamentos de Stalin davam resultados positivos a economia.

A grande revolução russa – Parte 2

Já na área da socialização, a distribuição delas fora apenas parcialmente feitas. Stalin optou por dividir atribuições, sendo que as terras boas para o cultivo foram subdivididas em kolkhozes (fazendas pertencentes a cooperativas) e sovkhozes (fazendas pertencente ao do Estado).

Diversos camponeses tiveram suas terras tomadas pelo governo de Stalin – isso gerou diversos conflitos no meio rural. Os que se recusavam a entregar as terras ao governo simplesmente eram assassinados ou, então, deportados de forma obrigada para a Sibéria ou para a Ásia Central.

No âmbito político, Stalin continuava exercendo intenso poder nas atividades do Partido Comunista. Os segmentos políticos e  intelectuais da época passaram a terem espaço somente se concordassem com as ideologias e ações de Stalin.

Assim, originou-se o termo Stalinismo, que confirmava claramente o modo ditatorial e austero dele governar. A prisão, a deportação e a morte eram os destinos possíveis daqueles que contrariassem suas ideais e a sua forma de governar.

O governo de Josef Stalin

Stalin em fotografia

O governo de Stalin já se iniciou rigoroso, como líder do Partido Comunista, ele assumira um comportamento extremamente de ditador. Passou a perseguir, caçar e matar todos aqueles que oferecessem algum tipo de ameaça ao seu sistema de governo.

Trotsky, por sua vez, saíra derrotado e estava totalmente insatisfeito, passando a ser um dos maiores oposicionistas do governo Stalinista. Stalin não gostava de suas crítica e, então, ordenou o assassinado a machadadas de seu opositor político, que encontrava-se exilado no México.

Stalin ainda ordenou a expulsão do partido e do exercito soviético de todos os seus opositores. Milhões de cidadãos foram presos no governo ditatorial. Por outro lado, é inegável o fato de que Stalin fez a União Soviética crescer consideravelmente.

A União Soviética se tornou uma superpotência mundial. Também fora criado um império proporcional ao Antigo Império Russo.

A partir do ano de 1928, ele adotou uma industrialização intensiva. Também promoveu a coletivização na agricultura – o que culminou em uma reorganização social.

Na Segunda Guerra Mundial, Stalin, representando a União Soviética, permaneceu ao lado dos defensores do Nazismo. Isso fora decisivo na derrocada sofrida pela Alemanha de Adolf Hitler. A União Soviética e os Estados Unidos passaram a ser os vencedores do conflito, que terminou no ano de 1945.

Como foi o O governo de Josef Stalin – Continuação…

A Segunda Grande Guerra fora encerrada. Com isso, alianças econômicas e militares passaram a ser estabelecidas, com nações socialistas do leste europeu. Isso intensificou a polarização da ordem mundial em: Capitalismo X Comunismo.

Porém, com o final da Segunda Guerra Mundial, a União Soviética e os Estados Unidos se posicionaram em um novo conflito. No entanto, esse não teve embates diretos entre as duas potências mundiais, foi a chamada Guerra Fria.

A Guerra Fria foi mais um embate ideológico e uma luta pela hegemonia e o poder entre a União Soviética e os Estados Unidos. Cada nação lutava por territórios e pela implantação de seus sistemas de governos neles (capitalismo e comunismo). Porém, ambos os países fomentavam guerras armadas entre outras nações, como a Guerra da Coreia – que separou o país até hoje, em Coreia do Norte e do Sul. Milhares de coreanos civis e militares morreram,

A Guerra Fria terminou apenas em 1991, com o fim da União Soviética.

fotografia de Stalin

Atrocidades e crueldades de Stalin

Durante o seu governo, ele cometeu atrocidades e crueldades, que fizeram diversas vítimas soviéticas e de outros países. Stalin, por exemplo, dava ordem aos seus subordinados para perseguir (e matar, se fosse preciso), pessoas que criticassem a sua forma de governar.

Também impunha trabalhos forçados e quase escravos a pessoas que considerasse uma ameaça as suas políticas internas. Ainda obrigava os camponeses a trabalharem sob extremo frio. Oferecia a eles condições precárias de alimentação e higiene – fazendo com que a taxa de mortalidade entre essas pessoas crescessem no país.

Os presos também eram forçados a trabalharem a viver em condições sub-humanas – o que levava muito deles à morte.

Stalin também abolira as fazendas privadas, tomando-as para o governo. Aqueles que não aceitavam entregar suas terras eram mortos ou deportados forçadamente para a Sibéria. Porém, a produtividade na agricultura decaia devido às más condições de trabalho oferecidas pelo governo. Mesmo assim, os trabalhadores eram punidos pelos maus resultados na produção.

Mais Atrocidades e crueldades cometidas

Entre os anos de 1932 e 1933, a Ucrânia, que era uma espécie de celeiro para a União Soviética, sofrerá muito com a política. A União Soviética desviava a produção da Ucrânia para si. Quase nada sobrava aos ucranianos – o que terminou na morte de milhões de pessoas.

Há, inclusive registros de canibalismo entre os ucranianos, devido a intensa fome que passavam n governo de Stalin. Fora uma verdadeira tragédia o que aconteceu na Ucrânia. O episódio ficou conhecido como “Holodomor” – que significa extermínio pela fome, no idioma ucraniano.

Atrocidades também foram cometidas pelo ditador durante a Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945). O chamado Exército Vermelho de Stalin cometia barbaridades com os inimigos, como estupros em massa e execução de presos políticos.

Stalin não  poupava nem mesmo aqueles que o apoiavam. Membros do seu governo, por exemplo, eram julgados por suas condutas durante a guerra. Caso o comportamento de um aliado ou soldado fosse considerado insatisfatório para o governo, a pessoa era julgada – podendo ser presa ou mesmo assassinada.

Últimos dias e morte de Josef Stalin

Em decorrência de uma hemorragia cerebral, Slalin vem a falecer no dia 5 de março de 1953. O corpo do ditador ficou exposto no mesmo local onde se encontrava o corpo de Lênin – Praça Vermelha, em Moscou.

No entanto, através do XX Congresso do Partido Comunista, que aconteceu no ano de 1956, Nikita Khrushchov fez a denúncia das atrocidades e crimes cometidos por Stalin. Os fatos apontavam que o ditador falecido teria sido responsável pela morte de mais de 5 milhões de pessoas – embora alguns historiadores apontam que essa quantidade pode ter alcançado 20 milhões de mortos.

Em razão da denúncia de Nikita Khrushchov, o corpo do “Pai dos Povos” – como ficou conhecido, foi transferido e sepultado perto dos muros de Kremlim, onde está enterrado até hoje.

Pergunta dos leitores

Quantas mortes Josef Stalin proporcionou?

Estima-se que Josef Stalin tenha proporcionado a morte de mais de 5 milhões de pessoas. Alguns historiadores, no entanto, acreditam que esse número pode ter chegado perto dos 20 milhões de vítimas fatais.