Botticelli – Biografia, Características de Suas Obras, Curiosidades


Sandro Botticelli foi um dos principais e mais importantes artistas do movimento cultural do Renascentismo. Italiano, pintou diversas obras de grande valor artístico para todo o mundo.

Biografia resumida de Sandro Botticelli

Sandro Botticelli  nasceu na cidade de Florença  (Itália), no dia 1 º  de março de 1445. Foi apelidado de “botticelli” pela sua família, o que significa “pequeno tonel”, em italiano.

Em sua época de adolescência trabalhou com um ouvires. Pesquisas indicam que ele teria trabalhado, provavelmente, na oficina de Filippo Lippi – tendo ajudado na ornamentação da Catedral de Prata.

Ainda jovem, já se dedicava à pintura. Demonstrava um diferente talento para a arte. Imprimia, geralmente, temas mitológicos e religiosos em suas produções.


Botticelli foi responsável pelo resgate de diversas características artísticas e culturais dos povos romanos e gregos. O artista, inclusive, chegou a retratar pessoas famosas em suas telas. Nelas, burgueses e nobres da época, além de príncipes.

Vale ressaltar que as obras de Botticelli são, em sua maioria, retratadas por fortes traços de realismo, cores vivas e movimentos suaves. “O Nascimento de Vênus”, por exemplo, é uma das pinturas do artistas reconhecidas até os dias de hoje e pintada em 1485. Na obra, é possível perceber características do estilo do artista, como o realismo, o resgate da mitologia romana e a supremacia da natureza.

Biografia resumida de Sandro Botticelli – Parte IIDesenho do rosto de Botticelli

Seus talento extraordinário ainda lhe deu o reconhecimento como brilhante retratista. Botticelli atravessava a linguagem formal, tonando-o um dos pintores mais requisitados de sua época.

No ano de 1481, Botticelli esteve em Roma e participou dos trabalhos na Capela Sistina. Foi onde produziu “As Provações de Moisés”, “A Tentação de Cristo” e “O Castigo dos Rebeldes”. Já em 1505, passou a fazer parte do Comitê Florentino – que fora criado para decidir onde seria acondicionado “O Davi”, do pintor Michelangelo.

Em suas temáticas de fundo religioso, podemos destacar ainda “São Sebastião” (1473), além de uma pintura sobre Santo Agostinho.

Nos anos de 1490, quando a família Médici foi expulsa de Florença, Botticelli enfrentou uma crise religiosa e se tornou um seguidor do monge beneditino Girolamo Savonarola – que valorizava a reforma e austeridade.

Nessa fase nova de sua vida podemos destacar obras como “A Natividade Mística” (da década de 1490) e “A Crucificação Mística” (de 1496). As telas expressavam uma forte devoção religiosa e, de certa forma, indicavam um retorno ao seu antigo estilo de pintar.

Sandro Botticelli faleceu no dia 17 de maio de 1510. Seu corpo está sepultado em Florença, na Abbazia Di Ognissanti.

Influências externas

A arte de Botticelli foi fortemente influenciada pelo trabalho de importantes artistas da época,como Fra Filippo Lippi e Antonio del Pollaiuolo. Ainda participou de reuniões sobre arte na corte Lorenzo de Medici – onde recebeu influência do neoplatonismo cristão, movimento que tinha o objetivo de reunir ideais clássicas com as cristãs.

Também trabalhou e recebeu influências artísticas de nomes como Piero Pollaiuolo e Andrea del Verrocchio.

Principais obras de Botticelli

Diversas foram as obras produzidas pelo artista. Algumas das principais e mais reconhecidas pinturas de Botticelli foram:

  • Virgem com o Menino (1470)
  • A Coragem (1470)
  • Madona com Menino e dois anjos (1470)
  • A Adoração dos Magos (1476)
  • O abismo do inferno (1480)
  • A Tentação de Cristo (1482)
  • A Primavera (1482)
  • O Castigo dos Rebeldes (1482)
  • As provações de Moisés (1482)
  • Vênus e Marte (1483)
  • O Nascimento de Vênus (1485)
  • Anunciação (1490)
  • A Calúnia de Apeles (1494)
  • Retrato de Dante Alighieri (1495)
  • A Natividade Mística (1501)

Características de sua obra

Em algumas das obras de Sandro Botticelli podemos perceber seus traços de graça, delicadeza e figuras que remetem a certo  sentimentalismo. Porém não deixam de revelar, também, fortes tendências realistas.

O artista, porém, não deixava de seguir as características Renascentistas, mas dava a ele novas nuances, formadas por novos ideais e criações, que se refletiam em suas obras. Em boa parte de suas pinturas pode-se perceber a valorização do corpo humano e da natureza.

Seu potencial artístico não tinha limites, a sua criatividade imperava, apesar das obstáculo que ele enfrentava em seu país, que se encontrava dividido por conflitos entre estados.

A primavera Sandro BotticelliObra A Primavera de Botticelli

“A Primavera” de Sandro Botticeli também ficou conhecida como a “Alegoria da Primavera”. Trata-se de uma obra produzida sobre madeira, pintada em 1482. A obra é descrita na publicação “Cultura e Valores” (de 2009) como “um dos quadros mais populares na arte ocidental”.

A obra é uma das mais famosas e controversas do artista. Boa parte dos críticos afirmam que a pintura retrata uma reunião de figuras mitológicas, mas outros enxergam outros significados para a obra, citando que ela retrata o ideal do romantismo neoplatónico.

Ao que tudo indica, a pintura teria sido uma encomenda da respeitada família Médici. Provavelmente, Botticelli teria se inspirado nas odes de Poliziano para a produção desta pintura.

A partir do ano de 1919, “A Primavera” passou a fazer do acervo da Galeria Uffizi, em Florença (Itália).

Morte Botticelli

Botticelli faleceu no dia 17 de maio de 1510, em Florença – sua cidade natal. O artista morreu pobre e “apagado” pela popularidade que alguns de contemporâneos alcançaram. Entre eles, Rafael Sanzio, Leonardo Da Vinci e Michelangelo. O reconhecimento de suas obras viria apenas depois de décadas de sua morte.

O artista faleceu deixando inacabadas algumas pinturas que faziam referência à obra literária mais famosa do escritor Dante Alighieri,  “Divina Comédia”. A pintura fora redescoberta e é considerada, nos dias de hoje, uma das obras mais notórias do Renascimento Cultural.

Curiosidades

Algumas curiosidades sobre a vida e obra de Botticelli:

  • O artista, na verdade, foi batizado com o nome de Alessandro di Mariano di Vanni Felipepi
  • Muito de sua carreira fora dedicava a importantes famílias da época, como a família Médici, que encomendava pinturas ao artista
  • “Botticelli” era uma apelido de Alessandro di Mariano di Vanni Felipepi, que significa “pequeno tonel”, em italiano. O apelido foi lhe conferido pela família, ainda em sua infância. Já “Sandro” faz referência ao seu primeiro nome, Alessandro
  • O artista fora chamado para Pisa, apenas para pintar um retrato da catedral da cidade, A obra, porém, perdeu-se pela deterioração do passar do tempo