Biografia de Dilma Vana Rousseff – Da sua Juventude até o Impeachment!


Dilma Vana Rousseff é uma política brasileira. Foi a primeira mulher a ocupar o cargo de Presidente da República. Dilma governou o Brasil por duas vezes: 2011 e 2015. No último mandato, porém, não chegou ao seu fim, devido a sofrer processo de impeachment.

Dilma Rousseff ainda ocupou diversos cargos públicos, antes de se eleger presidente.  Um deles foi como foi ministra da Casa Civil. Ocupou o cargo entre 2005 e 2010, durante o governo de Luís Ignácio Lula da Silva.

Infância e juventude

Dilma Vana Rousseff nasceu no dia 14 de dezembro de 1947, na capital Belo Horizonte – Minas gerais. Seu pai foi Péter Russév, vindo da  Bulgaria. Já sua mãe, Dilma Jane Silva, era professora. Dilma iniciou seus estudos na escola Nossa Senhora do Sion. O ensino médio curso no Estadual Central de Minas Gerais.

Desde a sua adolescência, Dilma Rousseff já se interessava pela ideologia socialista. Durante o regime militar – que foi de 1964 a 1985 – Dilma Rousseff atuou ativamente contra as forças armadas que governavam o Brasil.


Chegou a participar de lutas armadas em manifestos de revolução. Participou do Colina (Comando de Libertação Nacional e do VAR-Palmares-Vanguarda Armada Revolucionária Palmares.

Dilma Vana Rousseff chegou a ser presa e torturada durante a Operação Bandeirante (Oban). Também foi detida e novamente torturada pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social). Chegará a cumprir o tempo que pena que lhe foi imposto e foi libertada.

No  ano de 1977, finalizou seu curso superior de Economia, graduando-se pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Dilma Vana Rousseff acenando

Início de Dilma Vana Rousseff na carreira política

Na verdade, a vida política de Dilma Vana Rousseff teve início no Rio Grande do Sul. A ex-presidente era filiada ao PDT (Partido Trabalhista do Brasil). Chegou a ocupar o cargo de Secretária da Fazenda do Governo Municipal de Porto Alegre. Ocupou tal cargo de 1985 a 1988.

No ano de 1990, ocupou o cargo de presidente da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul. Já no ano de 1993 foi nomeada com Secretária de Energia, Minas e Comunicações do Rio Grande do Sul, durante o governo de Alceu Colares.

Também ocupou, de 1999 a 2002, o cargo de Secretária de Minas e Energia do governo do Rio Grande do Sul.

No ano de 2001, Dilma Vana Rousseff se desliga do PDT e passa a integrar o PT (Partido dos Trabalhadores).Nessa época, Luís Inácio Lula da Silva se encontrava nos primeiros anos de seu governo como presidente da república.

Dilma Vana Rousseff como Ministra

Luiz Ignácio da Lula da Silva tornaram-se mais próximo e Dilma Rousseff e passou a ser uma das idealistas para a Lula chegar reeleição. Com a 2 º vitória de Luiz Ignácio da Lula da Silva, Dilma Rousseff foi nomeada como Ministra de Minas e Energia até o ano de 2005. Após um escândalo envolvendo o, então, presidente da casa civil, José Dirceu, Dilma Rousseff assume o cargo no lugar dele.

Do PDT ao PT

Dilma Rousseff se identificava muito com o falecido político Leonel Brizola – um dos comandantes do PDT. Dima Rousseff também fora, ainda jovem, uma das fundadoras do PDT, por onde permaneceu por 2 décadas.

Em 2000, a ex-presidente decide se filiar ao PT. Na ocasião, muitos foram os rumores que Dilma Rousseff teria abandonado o partido. Porém, na ocasião, o próprio líder da bancada do PDT na Câmara, André Figueire, considerou os boatos infundados. Ele chegara a negar esse abandono do partido pela ida de Dilma Rousseff ao PT.

De acordo com o parlamentar, Dilma Rousseff teria deixado a base do partido devido à recorrentes desentendimentos políticos com alguns líderes  do PDT – algo corriqueiro no meio político. Dilma Rousseff também teria sofrido algumas derrotas em eleições internas no partido, preferindo se filiar ao PT.

Dilma Rousseff, a primeira presidenta do Brasil

Dilma Vana Rousseff dando joia

Dima Rouseff foi a 1ª presidente mulher eleita no Brasil. Sua preparação para concorrer ao cargo iniciou-se por volta de 2005. Sua primeira eleição acontece, então, e se ela se torna a 1 º mulher presidente do país.

Dilma Rouseff cumpre o seu mandato até 2015. É reeleita presidente por eleições diretas, com pequena vitória sobre seu oponente, o candidato Aécio Neves, do PSBD (Partido da Social Democracia Brasileira).

A presidente fora reeleita para cumprir seu mandato de 2015 até o ano de 2018. Porém, diversas acusações foram feitas à gestão da presidente, que culminou em seu afastamento, antes do final determinar seu governo, pelo processo de impeachment, no mês de agosto de 2016.

Impeachment de Dilma Vana Rousseff

O processo do Impeachment de Dilma Rousseff não se deu de um momento para o outro. Ele durou praticamente de 02 de dezembro de 2015 até 31 de agosto de 2016 – data que que fora formalmente afastada da Presidência da República.

No final do ano de 2015, diversas investigações realizadas através a investigação conhecida como “Operação Lava-Jato- – liderada pela Polícia Federal, muitos membros do governo Dilma Rousseff foram acusados ou até mesmo presos – como figuras do PMDB ( Partido do Movimento Democrático Brasileiro), que era aliado ao PT.

A partir do início de dezembro, a Câmara dos Deputados acaba aceitando um dos pedidos do impeachment de Dilma Rousseff. A presidente era acusada por crises fiscais, as chamadas “peladadas”. Já no dia 17 de abril do ano de 2016, a Câmara dos Deputados aprovou o documento. Tal documento previa o afastamento Dilma Rousseff  e foi votado somando 367 votos à favor de 137 contras.

No dia 12 maio de 2016,  o trâmite do processo de impeachment da presidente chega ao Senado Federal. O afastamento de Dilma Rousseff obtém 55 votos à favor e  22 contrários. Com isso, a presidente é obrigada a deixar o cargo. Assim o vice-presidente, Michel Temer, passa a ser o novo Presidente do Brasil, continuando até hoje no cargo.

Após presidência da republica

Após sofrer o processo de Impeachment, Dilma realizou diversos discursos, principalmente, ao militantes de seu partido. A presidente deposta se defendeu de todas as acusações, considerando injustas os motivos que levaram ao seu afastamento.

No momento vive na cidade de Porto Alegre – Rio Grande do Sul – e ainda integra do PT.