Biografia de Fernando Pessoa – Quem Foi? Principais Obras e Poemas?


Fernando Pessoa foi uma figura enigmática. Muitos acreditam até mesmo que ele nunca revelou-se como realmente era. Um poeta fantástico, cuja obra é conhecida mundialmente.

Quem foi Fernando Pessoa?

Fernando Pessoa, renomado poeta da língua portuguesa e uma das principais figuras do Modernismo português. Nasceu em Lisboa, em Portugal, no dia 13 de junho de 1888. Perdeu seu pai aos 5 anos de idade. Sua mãe casou-se novamente com o comandante militar João Miguel Rosa, posteriormente nomeado como cônsul de Portugal, na cidade de Durban, África do Sul.

Juventude e início de carreira

Fernando Pessoa e sua família foram morar na África do Sul. Lá, ele teve uma educação inglesa, onde aprendeu a falar inglês de forma fluente. Estudou na Durban High School e também em colégio de freiras. Os primeiros poemas de Fernando Pessoa foram escritos em inglês, em 1901. No ano seguinte, ele e sua família soltaram para Lisboa.

O poeta, porém, voltou para a África do Sul sozinho em 1903, e passou a frequentar a universidade de Capetown. Voltou para Lisboa dois anos depois e iniciou os estudos no curso de Filosofia, na Faculdade de Letras. Porém, após dois anos, em 1907, deixou o curso. Passou a trabalhar como crítico literário da revista “Águia” em 1912.


Auge da sua carreira

No ano de 1915, os textos produzidos por Fernando Pessoa não eram bem vistos pela sociedade conservadora, além de serem tidas como intensas. Por esse motivo, ele começou a adotar heterônimos, sendo os principais deles: Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Alvaro de Campos.

Fernando Pessoa te terno e chapéu

Visão religiosa e política de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa chegou a produzir inúmeros escritos políticos em 1935. Ele definia-se de forma clara como sedo contrário ao salazarismo e ao fascismo. Escreveu o artigo intitulado “Associações Secretas”, em que defendia a Maçonaria. E muitos fragmentos que se relacionavam à polêmica gerada por esse artigo.

Escreveu ainda alguns poemas satirizando tanto Salazar quanto o Estado Novo. Fernando Pessoa também criticava a grande influência que a igreja católica estava exercendo sobre a sociedade.

Principais obras de Fernando Pessoa

Nessa primeira lista, citamos algumas obras e poemas desse grande poeta, sendo que somente as 4 primeiras foram publicadas em vida:

  • 1918 – 35 Sonnets, 1918
  • 1918 – Antinous
  • 1921 – English Poems, I, II e III
  • 1934 – Mensagem
  • · A barca
  • Autopsicografia
  • Aniversário
  • Amei-te e por te amar…
  • · À Emissora Nacional
  • Elegia na Sombra
  • Antônio de Oliveira Salazar
  • Liberdade
  • Isto
  • Mensagem
  • Mar português
  • O Eu profundo e os outros Eus
  • Natal
  • O Menino da Sua Mãe
  • O cancioneiro
  • Poema Pial
  • O pastor amoroso
  • Poemas Traduzidos
  • Poema em linha reta
  • Poesias Inéditas
  • Poemas de Ricardo Reis
  • Poemas de Álvaro de Campos
  • Poemas para Lili
  • Primeiro Fausto
  • Presságio
  • Ser grande
  • Quadras ao gosto popular
  • Todas as cartas de amor…
  • Solenemente
  • Do Livro do Desassossego
  • Vendaval
  • Na Floresta do Alheamento
  • Ficções do interlúdio: para além do outro oceano
  • O Marinheiro
  • O Banqueiro Anarquista
  • Por ele mesmo·

Agora, suas obras póstumas:

  • 1942 – Poesias de Fernando Pessoa
  • 1944 – Poesias de Álvaro de Campos
  • 1944 – A Nova Poesia Portuguesa
  • 1946 – Poesias de Alberto Caeiro
  • 1946 – Odes de Ricardo Reis
  • 1952 – Poemas Dramáticos
  • 1955 e 1956 – Poesias Inéditas I e II
  • 1968 – Textos Filosóficos, 2 v
  • 1973 – Novas Poesias Inéditas
  • 1974 – Poemas Ingleses Publicados por Fernando Pessoa
  • 1978 – Cartas de Amor de Fernando Pessoa
  • 1979 – Sobre Portugal
  • 1980 – Textos de Crítica e de Intervenção
  • 1982 – Carta de Fernando Pessoa a João Gaspar Simões
  • 1985 – Cartas de Fernando Pessoa a Armando Cortes Rodrigues
  • 1986 – Obra Poética de Fernando Pessoa
  • 1986 – O Guardador de Rebanhos de Alberto Caeiro
  • 1986 – Primeiro Fausto

Características de sua obra

Fernando Pessoa foi um escritor português do modernismo. Suas obras têm muitos traços de subjetividade, lirismo, inclinadas para a metalinguagem.

Maiores frases de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa fotografia

Confira algumas frases inspiradoras desse grande poeta:

  • “Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”
  • “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.”
  • “Adoramos a perfeição, porque não a podemos ter; repugna-la-íamos se a tivéssemos. O perfeito é o desumano porque o humano é imperfeito.”
  • “Para viajar basta existir.”
  • “Agir, eis a inteligência verdadeira. Serei o que quiser. Mas tenho que querer o que for. O êxito está em ter êxito, e não em ter condições de êxito. Condições de palácio tem qualquer terra larga, mas onde estará o palácio se não o fizerem ali?”
  • “Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.”
  • “Sentir é criar. Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender, visto que o Universo não tem ideias.”
  • “Amar é cansar-se de estar só: é uma covardia portanto, e uma traição a nós próprios (importa soberanamente que não amemos).”
  • “Precisar de dominar os outros é precisar dos outros. O chefe é um dependente.”
  • “O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso, existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”
  • “O valor de uma coisa só depende da importância que damos a ela.”
  • ““Ser feliz é encontrar força no perdão, esperanças nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros. É agradecer a Deus a cada minuto pelo milagre da vida.”

Morte e últimos anos de vida

No dia 29 de novembro de 1935, Fernando Pessoa foi internado no hospital de São Luís dos Franceses, situado em Lisboa. O diagnóstico era de cólica hepática. No dia 30 de novembro, às vinte horas, veio a falecer com apenas 47 anos. Um dia antes, ele teria escrito, em inglês, a última frase: “I know not what tomorrow will bring”. Traduzindo: “Não sei o que o amanhã trará”.

Seu legado

Além de tantos trabalhos criados por Fernando Pessoa, fala-se que, além de suas obras e poemas, ele também teria criado também outras vidas, por meio de seus heterônimos, considerada sua característica principal. Além do mais, passou sua vida a divulgar a língua portuguesa.