Quem Foi Joaquim Nabuco? Obras e Ideias sobre Abolicismo! – Biografia


Considerado o patrono da abolição, Joaquim Nabuco foi uma figura brasileira muito importante também fora do país. Ele era um dos grandes defensores dos escravos. Foi um dos personagens principais da história do Brasil no século XIX. Sendo ele foi político, poeta, diplomata, memorialista e orador.

Quem foi Joaquim Nabuco?

Joaquim Nabuco foi uma das pessoas mais importantes para o movimento abolicionista, a favor da libertação de escravos no Brasil. Teve grande destaque em vários seguimentos, como política, carreira diplomática, história e literatura.

Foi também um dos membros do Instituto Histórico Brasileiro, além de ter participado, em 1880, da criação da Sociedade Anti escravidão Brasileira, e em 1897, da Academia Brasileira de Letras, onde fundou a cadeira nº 27.

Juventude e início de carreira

Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo, filho do senador do império José Tomás Nabuco de Araújo Filho e de  Ana Benigna de Sá Barreto Nabuco de Araújo, nasceu no dia 19 de agosto de 1849, no Cabo de Santo Agostinho, localizado em Recife, Pernambuco.


Sua infância foi em Pernambuco, no Engenho de Massangana. Foi para o Rio de Janeiro, estudou no Colégio Pedro II, e tornou-se bacharel em Letras. Em 1870, formou-se em Direito pela Faculdade de Direito de Recife.

Joaquim Nabuco foi nomeado adido nos EUA. Esse teria sido o seu primeiro cargo público. E foi uma boa maneira de ampliar seus relacionamentos internacionais.

A vida de Joaquim Nabuco na politica

Por ser monarquista e ser membro de uma família escravocrata, foi um grande defensor dos direitos dos escravos. Em 1878, chegou a ser Deputado Geral da Província. Um tempo depois, em 1887, novamente foi eleito Deputado de Pernambuco.

Joaquim Nabuco em fotografia

Visão religiosa

Joaquim Nabuco chegou a criticar a igreja católica por ela ter usado o trabalho escravo.. Porém, ele se converte ao catolicismo e comenta de forma enfática a sua conversão. Além de renegar o período em que esteve afastado da igreja.

Principais obras de Joaquim Nabuco

Veja abaixo a relação com as suas principais obras:

  • 1872 – Camões e os Lusíadas
  • 1874 – L’Amour est Dieu – poesias líricas
  • 1883 – O Abolicionismo
  • 1885 – Campanha abolicionista no Recife
  • 1886 – O erro do Imperador – história
  • 1886 – Escravos – poesia
  • 1890 – Por que continuo a ser monarquista (1890)
  • 1895 – Balmaceda – biografia (1895)
  • 1895 – O dever dos monarquistas
  • 1896 – A intervenção estrangeira durante a revolta – história diplomática
  • 1897-1899 – Um estadista do Império – biografia, 3 tomos
  • 1900 – Minha formação – memórias
  • 1901 – Escritos e discursos literários
  • 1906 – Pensées detachées et souvenirs
  • 1911 – Discursos e conferências nos Estados Unidos – tradução do inglês de Artur Bomilcar
  • 1947-1949 – Obras completas (14 volumes) organizado por Celso Cunha

Maiores frases de Joaquim Nabuco

Conheça algumas das mais famosas:

  • “Uma das maiores burlas dos nossos tempos terá sido o prestígio da imprensa. Atrás do jornal, não vemos os escritores, compondo a sós o seu artigo. Vemos as massas que o vão ler e que, por compartilhar dessa ilusão, o repetirão como se fosse o seu próprio oráculo.”
  • “O gênio sem paixão é o asceta da poesia, não é o poeta.”
  • “O que constitui o génio e a invenção de uma época ficará sendo a técnica, o lugar-comum, de outra. Uma onda de ideias novas, de frases bem cunhadas, que muito custaram aos seus autores, entra diariamente em circulação, e depressa se torna o palrar inconsciente dos iletrados.”
  • “Os invejosos invejam-se reciprocamente.”
  • “Parece pretensioso o uso do «eu»; no entanto a forma pessoal é a única que exclui toda a pretensão. Quem a emprega traduz impressões recebidas, não emite sentenças, mas quem se veda o uso do «eu», constitui-se forçosamente num oráculo.”
  • “A escravidão não consentiu que nos organizássemos e sem povo as instituições não tem apoio, a sociedade não tem alicerce.”
  • “A borboleta nos acha pesados; o pavão, mal vestidos; o rouxinol, roucos; e a águia, rastejantes.”
  • “De nada valem contra a tática e a disciplina moderna esses turbilhões do desespero ou do entusiasmo; é preciso o sacrifício de um longo tirocínio.”
  • “…enquanto a nação não tiver consciência de que lhe é indispensável adaptar à liberdade cada um dos aparelhos do seu organismo de que a escravidão se apropriou, a obra desta irá por diante mesmo que não haja mais escravos.”

Morte e seu legado

Joaquim Nabuco em fotografia

Ele faleceu aos 60 anos, em Washington, no dia 17 de janeiro de 1910, devido a uma doença congênita denominada “policitemia vera”.

Muitas foram as homenagens a Joaquim Nabuco no Brasil. Praças, avenidas e ruas foram contempladas com o nome do escritor e diplomata. Muitas figuras já o homenagearam, como é o caso de Fernando Henrique Cardoso, Gilberto Freyre, José Osvaldo de Meira Penna, Carolina Nabuco, e outros.

Abaixo, segue uma lista com alguns artigos e ensaios sobre Joaquim Nabuco:

  • Artigos sobre Joaquim Nabuco – Scielo
  • Joaquim Nabuco e Graça Aranha – entre a palavra e a ação: apontamentos para uma correspondência (Anco Márcio Tenório Vieira)
  • Discurso de Joaquim Nabuco
  • Joaquim Nabuco, epicteto e a abolição da escravatura (Aldo Lopes Dinucci)
  • 2010 – Ano Joaquim Nabuco (Câmara dos deputados)
  • Exposição “Joaquim Nabuco: Brasileiro, Cidadão do Mundo”
  • Joaquim Nabuco e os abolicionistas britânicos.Correspondência, 1880-1905   (Leslie Bethell; José Murilo de Carvalho)
  • Joaquim Nabuco: a história em primeira pessoa (José Almino de Alencar)
  • Joaquim Nabuco: o primeiro homem público a defender a Reforma Agrária no Brasil – 20/1/2010
  • Joaquim Nabuco e o seu significado para o pensamento brasileiro (Ricardo Vélez-Rodríguez)

Pergunta dos leitores

Quem foram os filhos de Joaquim Nabuco

Joaquim Nabuco casou-se, em 1889, com Evelina Torres Ribeiro. Juntos, eles tiveram 5 filhos: Carolina; escritora; Maurício, que era diplomata; Mariana; Joaquim, sacerdote e José Tomas.