Jorge Luis Borges – Biografia, Livros, Obras, Frases e Poemas


Vamos conhecer um pouco da história de um dos autores mais influentes do século XX. De fama internacional, Jorge Luis Borges era considerado como um dos melhores escritores literários da Argentina.

Quem foi Jorge Luis Borges?

Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo nasceu dia 24 de gosto de 1899 em Buenos Aires, Argentina. Foi um porta, crítico literário, tradutor, escritor e ensaísta.

Quando tinha 6 anos de idade, Jorge Luis falou para o pai que gostaria de ser escritor. Aos sete anos, ele fez um resumo da literatura grega em inglês. Quando tinha oito anos, escreveu o seu primeiro conto, intitulado La Visera Fatal”. Jorge Luis de inspirou em “Dom Quixote”. Com nove anos, ele fez a tradução de “O Príncipe Feliz”, escrito por Oscar Wilde.

Ganhou o Prêmio Formentor internacional de editores. Teve suas obras amplamente traduzidas e publicadas na Europa e nos Estados Unidos.


Suas obras influenciaram diversos autores, entre eles, temos: Italo Calvino, Gonçalo M. Tavares, Umberto Eco, Thomas Pynchon e Paul Auster.

Começo de carreira

Jorge Luis Borges falava fluentemente vários idiomas. Seu interesse pela literatura por causa da biblioteca de seu pai, cuja maioria dos livros eram em inglês. No ano de 1924, seu pai teve um problema na visão, que quase terminou em uma cegueira total.

Diante desse episódio, ele resolveu levar a família para passar um tempo em Genebra, na Europa. Lá, Jorge Luis escreveu, em francês, alguns poemas durante o período em que frequentava a faculdade, entre os anos de 1914 e 1918. Seu primeiro trabalho publicado foi para um jornal, em Genebra. Tratava-se de uma resenha de três livros escritos em espanhol.

Principais obras de Jorge Luis Borges

Poesias

  • Fervor de Buenos Aires, de 1923;
  • Luna de enfrente, de 1925;
  • Cuaderno San Martín, de 1929;
  • Poemas, de 1923-1943;
  • El hacedor, de 1960;
  • Para las seis cuerdas, de 1967;
  • El otro, el mismo, de 1969;
  • Elogio de la sombra, 1969;
  • El oro de los tigres, 1972;
  • La rosa profunda, de 1975;
  • Obra poética, de 1923-1976
  • La moneda de hierro, de 1976;
  • Historia de la noche, de 1976;
  • La cifra, de 1981,
  • Los conjurados, de 1985.

ContosJorge Luis Borges

  • A Biblioteca de Babel (1944);
  • O jardim dos caminhos que se bifurcam (1944);
  • O Aleph (1949);
  • O Imortal;
  • À memória de Shakespeare
  • O sul (1956),
  • O outro (1975).

Ficções

Conhecida como a obra que promoveu o reconhecimento para Jorge Luis. Nesse livro, encontram-se reunidos os contos que foram publicados no ano de 1941 e dez narrativas intituladas “Artifícios”.

Poemas

Dentre as obras famosas de Jorge Luis, destacam-se alguns poemas.

  • “Sou”
  • Elogio da Sombra”
  • “As Coisas”
  • “Os Meus Livros”
  • “A Um Gato”
  • “Os Justos”
  • “O Instante”

Maiores frases de Jorge Luis Borges

Veremos abaixo algumas das famosas frases de Jorge Luis:

  • “Há aqueles que não podem imaginar o mundo sem pássaros; Há aqueles que não podem imaginar o mundo sem água; Ao que me refere, sou incapaz de imaginar um mundo sem livros.”
  • “Não odeies o teu inimigo, porque, se o fazes, és de algum modo o seu escravo. O teu ódio nunca será melhor do que a tua paz.”
  • “As ditaduras fomentam a opressão, as ditaduras fomentam o servilismo, as ditaduras fomentam a crueldade; mas o mais abominável é que elas fomentam a idiotia.”
  • “O livro é a grande memória dos séculos… se os livros desaparecessem, desapareceria a história e, seguramente, o homem.”
  • “Sem leitura não se pode escrever. Tão-pouco sem emoção, pois a literatura não é, certamente, um jogo de palavras. É muito mais. Eu diria que a literatura existe através da linguagem, ou melhor, apesar da linguagem.”
  • “Sou um homem de letras, nada mais. Não estou certo de ter pensado nada de original em minha vida. Sou um fazedor de sonhos.”
  • “Ninguém pode escrever um livro. Para que seja verdadeiramente um livro, são necessários a aurora e o poente, séculos, armas e o mar que une e separa.”

Morte de Jorge Luis Borges

Com sérios problemas na visão, aos50 anos, só enxergava parcialmente. Foi ficando cego aos poucos, até perder completamente sua visão. Para continuar escrevendo, ele tinha ajuda de sua mãe, que escrevia e lia o que ele ditava. Com a morte de sua mãe, passa a ditar para uma secretária. Devido ao problema de visão, Jorge Luis ficou recluso por muitos anos. Aos 86 anos de idade, casou-se com Maria Kodoma, sua secretária. Ele faleceu em 14 de junho de 1986, na Suíça, em decorrência de um câncer hepático.