Juscelino Kubitschek


A história do Brasil e do mundo é marcada por muitos personagens importantes que ajudaram a construí-la. Um desses importantes personagens foi Juscelino Kubitschek, o 21º presidente do nosso país.

Então, para saber um pouco mais sobre ele, continue lendo e descubra tudo o que você precisa saber. Vamos lá?!

Quem foi Juscelino Kubitschek?

Juscelino Kubitschek de Oliveira, nasceu em Diamantina, no dia 12 de setembro de 1902 e faleceu em Resende no ano de 1976. Ele foi médico, oficial da polícia militar mineira e também político brasileiro.

Ele ocupou a presidência do Brasil entre os anos de 1956 e 1961.


Juventude e início na política

Nascido no ano de 1902, Juscelino Kubitschek terminou o curso primário em 1914. Depois disso, foi estudas no seminário diocesano de Diamantina, que era dirigido pelos lazaristas.

Seguiu seus estudos usando batina e sob um regime severo. Seu rendimento era razoavelmente bom, com exceção de aritmética, com a qual tinha dificuldade.

Os historiadores afirmam que ele era um rapaz de origem humilde e de bom humor, incapaz de despertar inimizade ou inveja.

Por ser menor de idade, ele ainda não podia ir para Belo Horizonte estudar. Por isso, passou a estudar sozinho, com ajuda de alguns professores.

Mesmo passando por dificuldades financeiras, ele conseguiu obter o exame necessário para o curdo de medicina. No ano de 1919 fez um concurso para telegrafista, na agência central da cidade, no qual foi aprovado. No entanto, para assumir era necessário ter 18 anos e ele tinha apenas 16. Por isso, conseguiu no cartório de Diamantina uma certidão que firmava seu nascimento no ano de 1900.

Juscelino Kubitschek na praça dos três poderes

A vida em Belo Horizonte

No fim do ano de 1920 ele se mudou para Belo Horizonte. No começo era sua mãe que pagava seus custos. No ano de 1922 ele fez vestibular e entrou para a Universidade Federal de Minas Gerais.

Ficou 6 meses de cama no ano de 1926 por causa do diagnóstico de estertores no pulmão. Quando já estava no 5º ano de medicina, passou a trabalhar com Júlio Soares, cunhado e amigo. Seu cargo era de interno na enfermaria da clínica cirúrgica da Santa Casa.

Com fama de ser um pé-de-valsa, Juscelino Kubitschek conheceu a filha de um deputado em um baile e começou a namorar. A moça se chamava Sarah Gomes de Sousa Lemos e era filha do deputado federal Jaime Gomes de Sousa Lemos.

Juscelino se formou em medicina no ano de 1927. Em seguida, deixou o trabalho nos correios e passou a trabalhar em uma clínica particular, junto com seu cunhado.

Sua vida na política

Benedito Valadares foi nomeado pelo presidente Vargas no ano de 1933 depois da morte de Olegário Maciel. Juscelino ficou amigo de Valadares depois da campanha eleitoral de 1932. Assim sendo, Juscelino Kubitschek foi nomeado para o cargo de chefe de gabinete.

Ele não aceitou o convite logo de início alegando que não deixaria sua profissão por objetivos políticos. No entanto, houve insistência ele acabou cedendo. Ele cuidava da agenda de Valadares e resolvia problemas com as autoridades.

Em Diamantina, chegou a abrir diversas estradas e ajudou a preservar edifícios históricos.

No ano de 1934 ele foi eleito deputado federal, em filiação com o Partido Progressista de Minas Gerais. Juscelino Kubitschek tirou licença de suas funções e foi morar na capital federal, que então era o Rio de Janeiro.

Passou a maior parte do seu tempo na sua cidade natal, de onde organizava o partido. Ele atuava mais nos bastidores em prol dos interesses do governo de Valadares.

Seu mandato foi exercido até o ano de 1937, quando houve o fechamento do Congresso Nacional pelo golpe de Estado promovido por Vargas. Depois disso, voltou à medicina no seu consultório particular.

Em 1940 ele foi nomeado Prefeito de Belo Horizonte por Valadares. Ele negou o cargo à principio por não apoiar o regime ditatorial. No entanto, sua nomeação foi divulgada mesmo assim em seguida.

Então ele passou a se dividir entre a medicina e a prefeitura. Quando assumiu, a cidade possuía diversos problemas. No entanto, o seu foco foi em obras públicas que melhorassem a beleza da cidade. Ficou conhecido como “prefeito furacão”.

O engajamento na política

Ao sair da prefeitura, decidiu seguir definitivamente a carreira política. Criou o Partido Social Democrático de Minas Gerais e foi eleito deputado federal pela segunda vez em 1945. Passou a morar no Rio de Janeiro com a esposa e a filha.

Ele defendia que a capital federal mudasse para o Triângulo Mineiro, mas a maioria escolheu o Planalto Central.

Depois disso, ele ainda foi eleito Governador de Minar Gerais. Ele assumiu em 31 de janeiro de 1951.

Juscelino Kubitschek o 21º Presidente do Brasil

Juscelino Kubitschek em fotografia

Juscelino Kubitschek foi eleito em 3 de outubro de 1955. Ele teve o menor número de votos dentre os presidentes eleitos de 1946 a 1960. Na época, as eleições aconteciam em apenas um turno. Também foi a primeira eleição brasileira com cédula eleitoral oficial.

Sua posse ocorreu em 31 de janeiro de 1956. Ele se manteve no governo por 5 anos, até o dia 31 de janeiro de 1961. O seu vice-presidente, também eleito na mesma data, era João Goulart.

Nessa época não havia reeleição mas desde Artur Bernardes, Juscelino Kubitschek foi o primeiro a cumprir seu mandato integralmente. Ele foi o responsável por empolgar o país com o slogan de “50 anos em 5”. Nisso, trouxe um processo rápido de industrialização, com foco na indústria automobilística.

Seu governo é marcado por um forte crescimento econômico, em contraponto a um grande crescimento das dúvidas públicas externa e interna. A inflação também apresentou um aumento.

Planos e ações de Juscelino Kubitschek como Presidente do Brasil

Ele foi o responsável pelo lançamento do Plano Nacional de Desenvolvimento. Ele também era chamado de Plano de Metas e tinha o slogan “cinquenta anos em cinco”.

Lá haviam 31 metas, distribuídas em diferentes setores de desenvolvimento, tais como educação, transporte, alimentação e etc. A meta principal, no entanto, era a construção de Brasília.

A estratégia utilizada nesse Plano de Metal era a correção dos “pontos de estrangulamento” presentes na economia brasileira.

Críticas ao seu governo

Juscelino Kubitschek em pintura

Durante sua atuação política, seu governo recebeu fortes acusações de corrupção. Dentre eles, há o consórcio das empreiteiras, que construíram o edifício Ciamar, no qual Juscelino Kubitschek ganhou um apartamento. Isso sem falar em benfeitorias realizadas em um terreno doado a ele na região de Foz do Iguaçi.

O processo foi acompanhado por Ernesto Geisel (futuro presidente da república). No entanto, Juscelino Kubitschek foi inocentado e o Edifício Ciamar ganhou seu nome.

Últimos anos de vida e sua morte

Juscelino Kubitschek faleceu no dia 22 de agosto de 1976. Isso ocorreu durante uma viagem de carro na Rodovia Presidente Durra. De acordo com as autoridades, foi apenas um acidente de trânsito.

O automóvel em que ele estava se chocou de forma violenta com uma carreta de gesso carregada. Junto com ele, faleceu também o seu motorista e amigo, Geraldo Ribeiro.

Seu funeral foi assistido por mais de 300 mil pessoas. Os restos mortais estão no Memorial JK, que foi construído em 1981, em Brasília.

no ano de 1996, houve uma exumação do seu corpo a fim de estabelecer a causa da morte do mesmo. Isso levantou uma certa polêmica a respeito do caso. No entanto, o laudo oficial concluiu novamente que somente um acidente de trânsito. Serafim Jardim, secretario particular de JK, contestou esse laudo em seu livro “JK, onde esta a verdade?”

No ano de 2001, o marido da neta de JK requereu a averiguação de suspeitas de assassina. No entanto, nada mudou na avaliação. Essa avaliação foi feita pela Comissão Nacional da Verdade, que analisa os crimes políticos que foram ocorridos entre 1946 e 1988.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre Juscelino Kubitschek, sua vida, carreira, conquistas e críticas políticas.