Lasar Segall – Biografia, Críticas, Principais Obras, Museu Lasar Segall


Lasar Segall foi um grande pintor lituano, que viveu no Brasil. Foi um dos precursores do expressionismo, embora mantinha equilíbrio em suas obras. Conheça mais sobre a vida, a trajetória e as obras desse notório artista.

Biografia resumida de Lasar Segall

Lasar Segall nasceu no dia 21 de julho de 1891, em Vilna – capital da República da Lituânia. Quando criança, já demonstrava interesse e talento para os desenhos.

Com 14 anos de idade, Lasar entrou para a “Academia de Desenho” de sua cidade. No ano de 1906, com 15 anos de idade, mudou-se com a família para  Berlim (Alemanha). Neste país, passou a estudar na “Academia Imperial”, permanecendo na escola por 5 anos.

No ano de 1911, mudou-se para a cidade alemã de Dresden. Na nova cidade, ingressou na “Academia de Belas Artes”.


O artista passou por críticas, devido às suas pinturas serem consideradas revolucionárias, apresentando técnicas totalmente diferentes das usadas na época.

No ano de 1912, então com 21 anos, veio para o Brasil – onde os seus irmãos já residiam. No ano de 1913, realizou duas exposições individuais nas cidades de São Paulo e de Campinas – porém, ainda sem grandes repercussões no meio artístico e cultural.

Nessa época, produziu o quadro “Dois Amigos”. E em 1918 retornou a Europa, casando-se com Margarete Quack.

O artista volta ao Brasil no ano de 1923, dedicando à pintura. Lasar Segall é considerado um dos principais precursores do expressionismo no país.Foto de Lasar Segall

O nome do artista está atrelado ao movimento expressionista da escola alemã. Porém, uma das características das obras de Lasar Segall era o equilíbrio de seus traços no uso de cores e representações. Até mesmo as suas telas com cores vivas traduziam um aspecto um tanto sombrio e comedido.

Lasar ainda se dedicou a produzir desenhos para uma coleção de móveis modernos, sob encomenda.

Biografia de Lasar Segall – Parte II

No ano de 1925, já divorciado de sua primeira esposa, casou-se novamente com Genny Klabin. Da segunda união teve dois filhos.

No ano de 1927, produziu a obra “Bananal” e mudou-se novamente para a Europa (Paris – França). Já em 1932, o artista retorna de forma definitiva para o Brasil.

Aqui, chegou a participar da fundação da “Sociedade Paulista Pró-Arte Moderna”.

No ano de 1957, Lasar Segall realizou uma grande exposição em Paris, intitulada de “Exposição Segall”, no “Museu de Arte Moderna”. A exposição contou com 61 quadros quadros do artista, além de 22 esculturas de bronze, 200 desenhos, gravuras e aquarelas. Nessa época, o artista já contava com o reconhecimento do público e da classe artística.

O artista faleceu aos 66 anos de idade, na cidade de São Paulo, no dia 2 de agosto de 1957 – vítima de problemas cardiovasculares. A casa onde viveu, localizada no bairro paulistano da Vila Mariana, funciona até hoje “Museu Lasar Segall”, onde estão expostas cerca de 3 mil obras de arte do artista.

Retorno de Lasar Segal ao Brasil

O primeiro retorno de Lasar Segal ao Brasil da Europa foi no ano de 1923. Nessa época, o artista passa a se dedicar mais à pintura.

A essa altura já era considerado um dos mais importantes precursores da arte expressionista no país. De qualquer forma, seu expressionismo continha traços comedidos. Até em suas obras mais coloridas é possível perceber ares sombrios. Nessa mesma época, Lasar Segall produziu uma coleção de mobiliários modernos.

No ano de 1925, já se encontrava separado de Margarete. Sua segunda esposa foi Genny Klabin, com quem teve 2 filhos.

No ano de 1927, produziu a tela “Bananal” e volta para a Europa, para morar em Paris (França)  Retorna pela segunda vez ao Brasil em 1932 – agora de forma definitiva.

Na ocasião participou da inauguração da “Sociedade Paulista Pró-Arte Moderna”.

Nesse seu segundo retorno ao país produz as obras de grande destaque, como: “Navios”,  “Homem com Violino” e “Retrato de Mário de Andrade”.

Retorna a Paris em 1957, para a realização da grande amostra individual  “Exposição Segall”, no “Museu de Arte Moderna”. Apresenta mais de 300 obras de sua autoria – aclamadas pelo público e crítica.

Assim que terminou a exposição, Lasar Segall volta ao Brasil, para São Paulo.

Principais críticas

Em muitas das obras de Lasar Segall podem ser observadas críticas feitas à sociedade, principalmente, em relação às desigualdades sociais e os sofrimentos que isso causava aos menos favorecidos. Preocupou-se ainda em criticar o nazismo, as condições de vida desfavoráveis de prostitutas, dos marginalizados e dos mais pobres.

Nas suas gravuras imprimia, propositalmente, deformações – uma característica expressionista. Tais desenhos impactantes tinham o objetivo de criticar e revelar o sofrimento e a opressão em que viviam as parcelas da população menos favorecidas e marginalizadas pelo restante da sociedade brasileira.

Características das obras de Lasar Segall

Como já mencionado, Lasar Segall imprimia em suas obras a preocupação com questões sociais. Suas produções exprimiam traços marcantes – característicos do expressionismo. Mesmo assim, Lasar procurava ser comedido no uso de suas técnicas.

Muitas de suas obras retratavam perseguições contra judeus, guerras, a miséria do povo, a prostituição, o nazismo e outros temas impactantes e polêmicos. Destacava em suas obras os desfavorecidos e marginalizados, como forma de apelo para a transformação de uma sociedade mais igualitária e justa.

Principais obras de Lasar Segall

Lasar Segall deixou mais de 3 mil obras, entre pinturas, esculturas, gravuras e desenhos. Entre as principais obras de Lasar Segall podemos destacar:

  • Menino com Lagartixas
  • Encontro
  • Retrato de Margareth
  • Asilo de Velhos
  • Krieysjoh
  • Paisagem de Meissen
  • Homem com Violino
  • EmigrantesObra Menino com Lagartixas
  • Mãe Preta
  • Mãe Morta
  • Navio de imigrantes
  • Retrato de Mario de Andrade
  • Família Enferma
  • Jovem de cabelos compridos
  • Duas Leitoras
  • Erradias
  • Mulheres Errantes
  • Aldeia de pescadores
  • Igreja com Campanário
  • Velho ex-escravo
  • Guerra
  • Maternidade
  • Mulher dormindo na rede
  • Cabeça do homem com chapéu
  • Casal do mangue
  • Tocador de Violão
  • Mendiga Sentada
  • Menino em Orações

Maiores exposições

Embora passara maior parte de sua vida no Brasil, Lasar Segall realizou diversas viagens a outros países – principalmente para a Alemanha – para realizar a exposição de suas obras. Entre as maiores exposições produzidas pelos artistas, estão:

  • 1910 – Dresden (Alemanha)
  • 1920 – Frankfurt (Alemanha)
  • 1920 – Hagen (Alemanha)
  • 1922 – Dresden (Alemanha)
  • 1923 – Frankfurt (Alemanha)
  • 1923 – Leipzig (Alemanha)
  • 1926 – Berlim (Alemanha)
  • 1926 – Dresden (Alemanha)
  • 1926 – Stuttgart (Alemanha)
  • 1931 – Paris (França)
  • 1934 – Roma (Itália)
  • 1934 – Milão (Itália)
  • 1938 – Paris (França)
  • 1940 – Nova York (Estados Unidos)
  • 1948 – Nova York (Estados Unidos)
  • 1948 – Washington (Estados Unidos)

Museu Lasar Segall

O “Museu Lasar Segall” expõe cerca de 3 mil obras no artista. O espaço foi fundado por uma associação civil  sem fins lucrativos, com o objetivo de preservar, reunir e divulgar as produções do artista.

O museu fica localizado onde o artista viveu, no bairro da Vila Mariana – São Paulo/SP. Informações sobre o espaço podem ser obtidas pelo número de telefone: (11) 2159-0400.

Pergunta dos leitores

As obras de Lasar Segall eram do modernismo ou expressionismo?

As obras de Lasar Segall apresentavam características do modernismo e do expressionismo. Isso porque o artista rompia com a forma clássica de pintar, além de retratar de forma impactante a realidade que o cercava, com o uso de traços marcantes e cores vivas.