Biografia de Thomas Hobbes – Quem Foi? História, Frases e Obras!


A filosofia é de extrema importância para a humanidade e sua evolução. Isso porque sempre sucinta pensamentos intrigantes e que levam à reflexão. É exatamente esse o caso do filósofo Thomas Hobbes.

Então, para saber um pouco mais sobre essa intrigante figura, seus pensamentos e suas teorias, continue lendo e descubra tudo. Vamos lá?!

Quem foi Thomas Hobbes?

Thomas Hobbes foi nada menos que um teórico político, matemático e filosofo britânico. Ele nasceu no dia 5 de abril de 1588 e faleceu em 4 de dezembro de 1679.

Ele é o filosofo autor do famoso Leviatã e Do Cidadão, ambas de 1651. Nessa e em outras obras, ele suscitou o pensamento crítico sobre diversas questões inerentes à humanidade.


Biografia resumida

pintura de Thomas Hobbes

Segundo Hobbes, em sua própria biografia, sua mãe teria dado a luz à gêmeos, que eram Hobbes e o medo. Isso porque sua mãe entrou em trabalho de parto prematuro por medo da ameaça de ataque da Armada Espanhola.

O medo e o seu poder foram temas de diversas de suas obras. No entanto, seus primeiros anos de vida foram tranquilos.

Thomas Hobbes era filho do vigário de Westport e Charlton. No entanto, se mudaram para Londres depois de uma disputa com outro vigário. O resultado disso é que com 7 anos de idade Thomas Hobbes teve de ficar sob a tutela do seu tio Francisco.

Seus primeiros estudos foram em Malmesbury e depois em Westport. Ele já demonstrava aptidão intelectual para o ensino clássico.

Em 1603, quando tinha 14 anos de idade, seu tio financio sua entrada em Magdalen Hall. Lá prevalecia o ensino da escolástica com inspiração aristotélica. À princípio, Hobbes não demonstrou muito interesse.

Em 1610 ele foi para a Europa na companha de William Cavendish. De lá foram para França, Itália e Alemanha. Percebendo que a apreciação escolástica estava em declínio e depois de muitas tentativas de abrir portas ao desenvolvimento de conhecimentos mais amplos, ele voltou à Inglaterra para se aprofundar no estudo dos clássicos.

Já na Inglaterra, sua amizade com Francis Bacon ajudam no reforço da sua linha própria de pensamento. Essa linha estava bem distante da escolástica e do aristotelismo.

Em 1631 os Cavendish o chamaram novamente para ser guardião do terceiro Duque de Devonshire. Ocupou o cargo até 1642.

Leviatã

Virou professor de matemática do Príncipe de Gales em 1646, em Paris. Com o fim da Guerra Civil, ele decide voltar à Inglaterra em 1651. Foi nesse ano que publicou o Leviatã.

Depois disso, publicou De Corpore, em 1665, o que resultou em muita polêmica. Surgiu até mesmo um movimento anti-Hobbismo, que teve seu pico em 1666. Seus livros chegaram a ser queimados.

Na velhice, Thomas Hobbes continua como um escritor bastante produtivo. Isso mesmo sendo prejudicado pelos opositores do seu trabalho. Ele viveu até os 91 anos de idade em uma época em que a expectativa de vida não passava muito dos 40 anos.

O mais incrível é que aos 80 anos de idade ele ainda produzia. Foi nessa idade que traduziu a Ilíada e a Odisseia para o inglês. Em 1672 produziu sua autobiografia em latim.

Faleceu no dia 4 de dezembro de 1679 e foi sepultado na Igreja João Batista, localizada em Ault Hucknall, Derbyshire, na Inglaterra.

Principais ideias e teorias de Thomas Hobbes

Os pensamentos de Thomas Hobbes forem influenciados por grandes nomes intelectuais. Dentre eles: Galileu Galilei e Francis Bacon.

Thomas Hobbes refutou a metafísica e partiu na busca da causa e propriedade das coisas. Por isso, o ponto de partida da filosofia de Hobbes é a física.

Ele afirmava que a filosofia é a ciência dos corpos. Isso quer dizer que tudo possui existência material e que os corpos se dividiram em corpos naturais e corpos artificiais. Isso se traduz em filosofia natura e filosofia política.

Seu empirismo se baseia no materialismo e no mecanicismo. Por isso, refuta a existência de seres imateriais e fenômenos não explicados mecanicamente.

Em “Leviatã” e “Os elementos da lei” é claro como ele utiliza a física como base de explicação para fenômenos psíquicos e também físicos. Ele até compara o homem a uma máquina.

Maiores obras de Thomas Hobbes

A maior obra reconhecida de Thomas Hobbes é o Leviatã, mas falaremos dele no tópico seguinte. Além dessa, Hobbes ainda apresenta outras obras de renome, tais como:

De cive  – 1642 (Do cidadão)

É a primeira obra da sua trilogia que foi planejada durante seu exílio na França. Ela se compõe de 3 temas que tratam da natureza humana: religião, liberdade e império.

De corpore – 1655

Embora o nome remeta à filosofia natural, essa obra é composta em quatro diferentes partes, da seguinte maneira: uma sobre lógica, a segunda a respeito de conceitos científicos, a terceira sobre geometria. Na última o tema é física.

Além dessas, veja outras importantes obras de Thomas Hobbes:

  • 1620. Three of the discourses in the Horae Subsecivae.
  • 1629. Translation of Thucydides’s History of the Peloponnesian War
  • 1640. The Elements of Law, Natural and Politic
  • 1650. Treatise on Human Nature
  • 1658. De Homine (Latin)
  • 1654. Letters upon Liberty and Necessity
  • 1656. The Questions concerning Liberty, Necessity and Chance 1675. English translation of Homer’s Iliad and
  • Odyssey
  • 1681. Postumously A Dialogue between a Philosopher and a Student of the Common Laws of England (written 1666)
  • 1681. Posthumously Behemoth, or The Long Parliament (written in 1668, unpublished at the request of the King)

pintura a óleo de Thomas Hobbes

O leviatã de Thomas Hobbes

O Leviatã foi um livro publicado por Thomas Hobbes em 1651, homônimo ao Leviatã bíblico. Ele trata da sociedade e do governo ilegítimo. Isso porque são considerados como os mais antigos exemplos de contratos sociais que existem. Sem falar que são uma referência para o pensamento político.

Dentre as teses defendidas nessa obra, Hobbe diz que o homem nada mais é do que um animal fora de controle. Por isso, depende de um governante absoluto que possa dominá-lo, forçando-o a seguir o caminho das regras sociais.

A máxima da obra é: “o homem é o lobo do homem”.

Maiores frases

Como não poderia ser diferente, as obras de Thomas Hobbes trazem muitas frases importantes, tais como:

  • Primeiro viver, depois filosofar.
  • A ociosidade é a mãe da filosofia.
  • Aqueles que concordam com uma opinião chamam-lhe opinião; mas os que discordam chamam-lhe heresia.
  • O medo dos poderes invisíveis, inventados ou imaginados a partir de relatos, chama-se religião.

Seu legado

Thomas Hobbes deixa como legado um pensamento altamente critico sobre as regras sociais que regem a humanidade e também sobre a natureza humana.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre Thomas Hobbes, sua vida, suas obras e o seu legado para a humanidade. Aproveite e disfrute desse conteúdo.