Biografia de Vinicius de Moraes – Sua História, Poemas e Frases!


Foi no dia 19 de outubro de 1913 aquele que viria a ser um dos nomes mais importantes da música e poesia nacional: Vinicius de Moraes.

Então, para saber um pouco mais sobre essa ilustre figura, continue lendo e descubra tudo o que você precisa saber sobre ele. Vamos lá?!

Quem foi Vinicius de Moraes?

Vinicius de Moraes foi um grande dramaturgo, poeta, jornalista, cantor, diplomata, dramaturgo e compositor brasileiro.

Ele nasceu no dia 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro e faleceu no dia 9 de julho de 1980, também no Rio de Janeiro.


Por ser um poeta essencialmente lírico, acabou recebendo o apelido de “poetinha”, atribuído por Tom Jobim.  Ele ganhou notoriedade por causa de seus sonetos.

Juventude e início de carreira

Nascido na Gávea, RJ, Vinicius de Moraes era filho de Clodoaldo Pereira da Silva Moraes com Lygia Cruz Moraes. O pai era funcionário da prefeitura, violinista amador e poeta e a mãe era uma pianista amadora. Vinicius foi o segundo de 4 filhos: Lygia de 1911, Laetitia de 1916 e Helius de 1918.

EM 1916 se mudou para o Botafogo com a família e já demonstrava interesse por poesias. No ano de 1922 sua mãe ficou doente e a família se mudou para a Ilha do Governador, porém ele e sua irmã Lygia ficaram com o avô para terminar seus estudos primários.

ingressou no Colégio Santo Inácio em 1942 e passou a antar no coral. Desde então já montava pequenas peças de teatro. Poucos anos depois, conheceu Haroldo e Paulo Tapajós com quem iniciou suas primeiras composições. Eles se apresentavam em festas de amigos.

Concluiu o ginásio em 1929 e começou a faculdade de direito no ano seguinte. Foi lá que conhecer o romancista Otávio de Faria, de quem ficou amigo. Foi ele que incentivou Vinicius de Moraes no dom literário. Em 1933, Vinicius se graduou em Ciências Jurídicas e Sociais

Vinicius de Moraes em fotografia

Início da carreira

No ano de 1936, Vinicius conseguiu emprego como censor cinematográfico no Ministério da Educação e Saúde. Apenas 2 anos depois, ele ganhou uma bolsa do Conselho Britânico para que estudasse a língua e a literatura inglesa na Universidade e Oxford.

Voltou para o Brasil em 1941 onde trabalhou para o jornal “A Manhã” como crítico de cinema. Em seguida, foi reprovado no concurso para o MRE (Ministério das Relações Exteriores). Em 1943, concorreu novamente e foi aprovado desta vez.

Assim, assumiu em Los Angeles, em 1946, o primeiro posto diplomático como vice-cônsul. Com a morte de seu pai em 1950 ele voltou ao Brasil e depois atuou no campo diplomático de Roma e Paris.

Em 1968 ele foi compulsoriamente aposentado pelo Ato Institucional Número Cinco, e afastado da carreira de diplomata. Vinicius foi anistiado pós-mortem em 1998 pela justiça.

Mudança de fase

Por volta da década de 40,a s obas literárias de Vinicius de Moraes eram marcadas por uma linguagem mais simples, excitante e sensual. Muitas vezes, elas ainda traziam temas sociais.

Essa nova fase foi marcada pela publicação Cinco Elegias, de 1943, e pelos “Poemas, Sonetos e Baladas” publicados em 1946. Essa obra foi ilustrada com 22 desenhos feitos por Carlos Leão.

Nessa época ele ainda atuava como crítico de cinema e jornalista para vários periódicos. Lançou uma revista chamada “Filme” em 1947, juntamente com Alex Vianny. Em Barcelona, penas 2 anos depois, publicou o livro “Pátria Minha”.

Retorno ao Brasil e novas parceiras

Vinicius de Moraes voltou para o Brasil em 1964 e em seguida se apresentou em uma boate chamada “Zum Zum”, jutamente com o Quarteto em Cy, Dorival Caymmi e o Conjunto de Oscar Castro Neves. A repercussão desse concerto foi grande e logo ele foi lançado em LP, com diversos sucessos.

Em 1965, Vinicius de Moraes teve duas de suas canções concorrendo no I Festival Nacional de Música Popular Brasileira da extinta TV Excelsior.

A música “Arrastão” que foi defendida por Elis Regina, ficou em primeiro lugar. Já a música “Valsa do Amor que Não Vem”, foi defendida por Elizeth Cardoso e ficou em segunda posição.

Ainda nesse ano, foi realizado no Teatro Municipal de São Paulo uma linda homenagem ao poetinha. O evento contou até mesmo com a participação da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

Principais obras de Vinicius de Moraes

uma foto de Vinicius de Moraes

Como não poderia ser diferente, Vinicius de Moraes tem diversas obras de renome e fama. Dentre elas, vamos conhecer as principais, que são:

  • 1933 (poesia) – O Caminho Para a Distância
  • 1936 (poesia) – Forma e Exegese
  • 1946 (poesia) – Poemas, Sonetos e Baladas
  • 1954 (teatro) – Orfeu da Conceição
  • 1956 (poesia) – Livro de Sonetos

Maiores poemas de Vinicius de Moraes

Vinicius de Moraes é autor de um grande número de poemas. Dentre os mais famosos, podemos citar os 10 seguintes:

  • Soneto da fidelidade
  • Pátria munha
  • Poema de Natal
  • Soneto de Contrição
  • Não Comerei da Alface a Verde Pétala
  • A Rosa de Hiroxima
  • Soneto de Devoção
  • Soneto do Amor Total
  • Soneto de separação
  • Receita de Mulher

Frases marcantes

Ao longo de sua vida, Vinicius de Moraes deu origem a uma grande quantidade de frases célebres. Veja algumas delas logo a seguir:

“Amai, porque nada melhor para a saúde que um amor correspondido.”

“Eu talvez não tenha muitos amigos, mas os que eu tenho são os melhores que alguém poderia ter.”

“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.”

“Eu poderia, embora não sem dor, perder todos os meus amores, mas morreria se perdesse todos os meus amigos.”

“Se o amor é fantasia, eu me encontro ultimamente em pleno carnaval.”

“A vida é a espera da morte. Faça da vida um bom passaporte.”

Maiores músicas de Vinicius de Moraes

Vinicius de Moraes em um banco

Na música, Vinicius de Moraes também deixou uma forte contribuição. Veja algumas das maiores músicas dele:

  •  Garota de Ipanema
  • Eu Sei Que Vou Te Amar
  • Tarde em Itapoã
  • Aquarela
  • Pela Luz dos Olhos Teus
  • Chega de Saudade
  • Samba da Benção
  • A Felicidade
  • Insensatez
  • Canto de Ossanha

Seu legado hoje

Sem dúvidas o legado de Vinicius de Moraes até os dias de hoje ainda é uma grande referência, tanto no Brasil como no resto do mundo. Ele deixou uma série de músicas, composições, poemas e obras de alto valor para a arte.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre Vinicius de Moraes, suas obras, músicas, poemas e sua contribuição para o mundo!